RUBENS TEIXEIRA

HOJE É O DIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

BRASILEIROS FAZEM DESCOBERTA QUE PODE LEVAR À COMPUTAÇÃO QUÂNTICA

A fragilidade das propriedades quânticas, que desaparecem devido à interação com o meio ambiente, a temperatura finita ou em corpos macroscópicos, representa um dos maiores obstáculos para o desenvolvimento dos desejados computadores quânticos, máquinas ultra velozes que seriam capazes de realizar simultaneamente e, em questão de segundos, operações que os computadores convencionais demorariam bilhões de anos para efetuar. As informações são da agência Fapesp.

Um grupo de físicos brasileiros mediu experimentalmente de forma direta, pela primeira vez, uma propriedade que pode ser útil para o desenvolvimento da computação quântica.

Derivados do projeto Informação quântica e decorrência, apoiado pela Fapesp por meio do Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, os resultados dos experimentos foram publicados em 30 de setembro na revista Physical Review Letters.

Introduzido em 2001, o conceito de discórdia quântica indica a correlação não clássica entre duas entidades, como núcleos, elétrons, spins e fótons, que implica em características que não podem ser observadas em sistemas clássicos.

Até então se acreditava que essa grandeza quântica só poderia ser medida em sistemas muito bem controlados ou a baixíssimas temperaturas e isolados do meio ambiente, uma vez que qualquer interferência seria capaz de destruir a ligação entre os objetos quânticos, que era atribuída unicamente a um fenômeno físico chamado emaranhamento ¿ o que dificultaria a concepção de um computador quântico.

“Entretanto, medimos experimentalmente essa correlação (discórdia) quântica e demonstramos que ela está presente onde não se esperava e que esse fenômeno pode ser explorado mesmo à temperatura ambiente, em situações em que há muito ruído térmico”, disse Roberto Menezes Serra, professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) e coordenador do projeto.

Por intermédio do experimento, desenvolveram um método prático para medir correlações quânticas (a discórdia quântica) através de uma grandeza física, denominada “testemunha ocular”, que permite a observação direta do caráter quântico da correlação de um sistema. “Isso demonstrou de forma inequívoca a natureza quântica dos testes de princípios realizados em ressonância magnética nuclear à temperatura ambiente. Esses resultados podem abrir caminho para outras aplicações em informação quântica à temperatura embiente”, disse Serra.

No trabalho publicado no novo artigo, os pesquisadores brasileiros mediram outro fenômeno que haviam previsto, denominado mudança súbita de comportamento da discórdia quântica.

O efeito descreve a alteração de comportamento da discórdia quântica quando o sistema físico em que ela está presente entra em contato com o meio ambiente, causando uma perda de coerência do sistema (um fenômeno conhecido como decoerência). Nessa situação, a discórdia quântica pode permanecer constante e insensível ao ruído térmico durante um determinado tempo e, depois, começar a decair.

REFERÊNCIA MUNDIAL

Até a alguns anos, os cientistas achavam que o emaranhamento fosse uma propriedade essencial para obtenção de ganhos em um sistema quântico, como a maior capacidade para a troca de informações entre objetos quânticos. Recentemente, descobriu-se que essa propriedade não é necessariamente fundamental para a vantagem quântica em processamento de informação, porque há protocolos em que a vantagem quântica é obtida em sistemas não emaranhados. Dessa forma, conjectura-se que a discórdia quântica é que poderia estar associada às vantagens de um sistema quântico.

Em função disso, tanto a discórdia como o emaranhamento passaram a ser reconhecidos como úteis para a realização de tarefas em um computador quântico. No entanto, sistemas não emaranhados dotados de discórdia teriam a vantagem de ser mais robustos à ação do meio externo, uma vez que o emaranhamento pode desaparecer subitamente, em um fenômeno chamado “morte súbita”.

“Nosso maior interesse, no momento, é avançar na compreensão da origem da vantagem dos computadores quânticos. Se soubermos isso, poderemos construir dispositivos mais eficientes, consumindo menos recursos para controlar sua coerência”, disse Serra.

De acordo com o pesquisador, o grupo de físicos brasileiros foi o primeiro a utilizar técnicas de ressonância magnética nuclear para medir a discórdia quântica de forma direta e se tornou referência mundial na área.

 

Fonte: www.jb.com.br

Anúncios

Arquivado em:1,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Twitter @Rubens Teixeira

Documentário

Redes Sociais

twitter

youtube

orkut

facebook

Programa do Faustão (Globo)

Descriminalização das drogas (Opinião)

PLC 122 (Opinião)

Entrevista ao Jornal Folha Dirigida

logocorrupcao2007
banner_tcp

Mais Avaliados

%d blogueiros gostam disto: