RUBENS TEIXEIRA

O Brasil, a bomba atômica e o IME

Em matéria publicada hoje, dia 8, no Jornal do Brasil, o especialista em estratégia militar e ex-ministro Alberto Mendes Cardoso, ex-chefe da Casa Militar e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) no governo Fernando Henrique Cardoso, confirmou que o Brasil já domina o conhecimento e, se quisesse, poderia dirigir a tecnologia à construção da bomba nuclear.

Uma das maiores autoridades do País em energia nuclear, com 35 anos de atividade no setor, o professor do Instituto Militar de Engenharia (IME) do Exército, Dr. Rex Nazaré Alves, também confirmou, conforme noticiou o Jornal do Brasil no domingo, que o País já domina o conhecimento e a tecnologia necessária para a fabricação da bomba. Ele diz que se o País tivesse interesse, desenvolveria a bomba atômica porque já atingiu um padrão de conhecimento.

O assunto veio à tona após a publicação do livro A Física dos Explosivos Nucleares, de autoria de um doutor no Instituto Militar de Engenharia (IME), que mostra cálculos e equações onde foi desvendada a figura de uma ogiva nuclear americana, a W-87, cujo modelo original era mantido em segredo.

As conclusões provocaram uma reação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), entidade que fiscaliza os programas nucleares no mundo, que tentou retirar de circulação o livro com a tese Simulação Numérica de Detonações termonucleares em Meios Híbridos de Fissão-Fusão Implodidos pela Radiação.

ime

Uma das principais funções das Forças Armadas é causar efeito dissuasório nos potenciais adversários. O confronto é solução última. Para uma força ser dissuasiva ela tem de ter instrumentos que causem temor no adversário. Por isso uma arma potente inibe adversários de confronto e impõe respeito. O Brasil não tem bomba atômica e nem pretende fabricá-la por ser impedido por tratados internacionais e pela Constituiução Federal. Todavia,  conhecer a tecnologia o coloca em um grupo seleto de países que sabem fabricar um artefato que põe qualquer governo, prepotente e bem armado com armas convencionais,  temeroso de tomar uma atitude violenta contra o nosso país em momentos de crise. Se o Brasil dominar a tecnologia da bomba atômica será mais respeitado do que se desconhecê-la.

Parabenizo o Instituto Militar de Engenharia por manter em seu quadros profissionais do mais alto gabarito, nesta área.

Por duas vezes por aquela Escola de excelência. A primeira vez na graduação em Engenharia de Construção e a segunda, para cursar o Mestrado em Engenharia Nuclear. Conclui este, apresentando a tese “Caracterização de Fontes de Nêutrons em Rejeitos Altamente Radioativos“.

Recordo-me que o general Cardoso foi meu comandante na AMAN e tenho nas minha alterações elogio dele quando Coronel. Dr. Rex foi o responsável pela minha ida para o mestrado no IME. Foi meu professor. Recebi dele o convite para atuar na elaboração do mapa radiométrico do país. Não pude participar por ser servidor do Banco Central.

Parabéns IME !

Parabéns Brasil !

Anúncios

Arquivado em:Bomba Atômica, IME, , ,

One Response

  1. NIVALDO KLIPPEL disse:

    O BRASIL PRECISA URGENTEMENTE DE PRODUZIR ALGUNS ARTEFATOS ATOMICOS, E MAIS QUE ISSO, PRECISA TER TECNOLOGIA CAPAZ DE LANÇA-LOS SE RECISO FOR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Twitter @Rubens Teixeira

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Documentário

Redes Sociais

twitter

youtube

orkut

facebook

Programa do Faustão (Globo)

Descriminalização das drogas (Opinião)

PLC 122 (Opinião)

Entrevista ao Jornal Folha Dirigida

logocorrupcao2007
banner_tcp

Mais Avaliados

%d blogueiros gostam disto: